Press "Enter" to skip to content

Para erradicar a pobreza, mais capitalismo

Há uma semana, no dia 17 de outubro, foi celebrado o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza. Pobreza, neste caso, é a dramática situação em que, segundo a ONU, se encontram todas aquelas pessoas que vivem com menos de 1,90 dólar por dia (57 dólares por mês).

Evidentemente, a pobreza atacada neste dia não é aquela pobreza anedótica e sem muitos critérios a que muitos normalmente se referem, mas sim a pobreza extrema: aquela que em que a pessoa possui recursos materiais que garantem apenas a sua subsistência.

E, neste sentido, a evolução dos indicadores de pobreza extrema durante os últimos 200 anos nos permite ser bastante otimistas quanto ao futuro. Em 1820, aproximadamente 95% da população mundial vivia na pobreza, com uma estimativa de que 85% viviam na pobreza “abjeta”. Em 2015, menos de 10% da humanidade continuam a viver em tais circunstâncias.

Já o Banco Mundial recentemente relatou que as amenidades básicas para se ter uma vida digna estão disponíveis para os mais pobres do planeta em um volume jamais visto em toda a história da humanidade. E por uma grande margem. Desde 1980, mais de 1 bilhão de pessoas saíram da pobreza extrema (o número de pobres extremos caiu de 2 bilhões para 700 milhões). Ao passo que, há 40 anos, 44% da população mundial estavam afundadas na mais absoluta miséria, hoje apenas 9,5% estão nesta situação. O próprio Banco Mundial reconhece que esta chaga poderá finalmente desaparecer por inteiro de nosso planeta em menos de 15 anos.

Como mostra o gráfico abaixo, do projeto Our World in Data, a pobreza extrema está em declínio ao mesmo tempo em que a população mundial está aumentando.

A área vermelha mostra o número de pessoas ao redor mundo vivendo na pobreza extrema; a área verde mostra o número de pessoas ao redor do mundo fora da extrema pobreza. (‘Extrema pobreza’ é definida como um nível de consumo diário menor que US$ 1,90 por dia, com o valor já ajustado para a inflação e para as diferentes realidades de preço de cada país).

Gráfico 1: a área vermelha mostra o número de pessoas ao redor mundo vivendo na pobreza extrema; a área verde mostra o número de pessoas ao redor do mundo que não estão na extrema pobreza.
Gráfico 1: a área vermelha mostra o número de pessoas ao redor mundo vivendo na pobreza extrema; a área verde mostra o número de pessoas ao redor do mundo que não estão na extrema pobreza.

Observe que a redução da pobreza extrema em escala global é recente. Desde 1970, tem havido um rápido crescimento no número de pessoas vivendo acima da linha de pobreza extrema e uma drástica redução no número de pessoas vivendo abaixo dele.

E é importante ressaltar novamente: a pobreza extrema está em declínio ao mesmo tempo em que a população mundial está aumentando.

A porcentagem da população mundial que vive na pobreza extrema está em queda livre.

pobreza extrema em porcentagem
Gráfico 2: porcentagem da população mundial na pobreza extrema. Fonte: Banco Mundial.

As causas

Mas, qual seria a causa por trás deste acelerado ritmo de erradicação da pobreza? Por que os últimos 30 anos foram o período da história em que mais gente conseguiu escapar da miséria mais extrema?

Essencialmente, graças à ampliação do capitalismo e da globalização.

Como mostraram os economistas Romain Wacziarg e Karen Horn Welch, que coletaram amplos dados a respeito, aqueles países que se abriram para a globalização entre 1950 e 1998 — ou seja, aqueles países que liberalizaram seus regimes comerciais durante este período — vivenciaram um crescimento econômico médio anual 1,5 ponto percentual superior ao daqueles outros países que não o fizeram.

E essa diferença está longe de ser insignificante: um país cuja economia cresce 1,5% ao ano durante 40 anos enriquecerá 80% neste período; já um país crescendo 3% ao ano durante este mesmo período enriquecerá nada menos que 226%.

Mais liberdade comercial — mais capitalismo — significa mais enriquecimento e maior padrão de vida.

Mas seria possível dizer que este maior crescimento econômico realmente significa menos pobreza extrema? Não poderia ocorrer que os frutos desse crescimento econômico fossem majoritariamente para as mãos daquela oligarquia extrativa que mantém subjugado o grosso de uma população pauperizada?

Os economistas David Dollar e Aart Kraay já demonstraram, há anos, que, na maioria dos países, existe uma tendência de que a renda do quintil mais pobre da população aumente no mesmo ritmo que o crescimento médio da economia: por isso, aqueles países que conseguem manter um crescimento econômico sólido e constante são também aqueles em que mais pessoas escapam da pobreza.

Ou seja, mais globalização significa mais crescimento econômico, e mais crescimento econômico significa mais crescimento na renda dos cidadãos mais pobres da sociedade.

Também sobre isso, os economistas Andreas Bergh e Therese Nilsson encontraram uma forte correlação negativa entre pobreza extrema e intensidade da abertura à globalização de um país: mais globalização, menos pobreza extrema; e menos globalização, mais pobreza extrema.

pobreza absoluta e abertura para comercio
Gráfico 3: no eixo Y, a taxa de pobreza absoluta; no eixo X, a abertura do país ao livre comércio. Fonte: Is Globalization Reducing Absolute Poverty? (2014)

E, dado que a pobreza extrema está sendo reduzida tão aceleradamente em tantos rincões do planeta, a desigualdade global da renda também está se estreitando: a renda dos mais pobres cresce mais rapidamente que a dos ricos e, como consequência, o índice de Gini global está caindo significativamente pela primeira vez desde a Revolução Industrial.

desigualdade global
Gráfico 4: no eixo Y, o coeficiente de Gini; no eixo X, a evolução do tempo. Os pontos verdes representam a desigualdade global. A linha azul mostra a evolução da desigualdade internacional ponderada pelo crescimento populacional. A linha vermelha mostra a evolução da desigualdade internacional sem qualquer ponderação. Fonte: Branko Milanovic

Liberdade econômica

A globalização e o livre comércio andam juntos com a liberdade econômica. E a expansão da liberdade econômica coincidiu com essa impressionante redução na pobreza extrema global.

Aqueles países que mais abraçaram a liberdade econômica foram os que mais vivenciaram uma substantiva redução na porcentagem de pessoas vivendo em destituição. Como mostra o índice Economic Freedom of the World (Liberdade Econômica do Mundo), os países mais economicamente livres têm os menores níveis de pobreza, ao passo que, nos países menos economicamente livres, altos níveis de pobreza persistem.

No eixo Y, a taxa de pobreza. No eixo X, o agrupamento de países de acordo com sua liberdade econômica. Quanto mais à direita, maior a liberdade econômica. Em cada agrupamento há o percentual de pobreza extrema (extreme) e de pobreza moderada (moderate).

pobreza extrema e moderada
Gráfico 5: Liberdade econômica e taxas de pobreza extrema e pobreza moderada. No eixo Y, a taxa de pobreza. No eixo X, o agrupamento de países de acordo com sua liberdade econômica. Quanto mais à direita, maior a liberdade econômica. Em cada agrupamento há o percentual de pobreza extrema (extreme) e de pobreza moderada (moderate). Fonte: Cato Institute et al., “Economic Freedom of the World: 2016 Report.”

As evidências ficam ainda mais explícitas: para reduzir a pobreza é necessário ter liberdade econômica. E liberdade econômica pressupõe livre comércio e livre iniciativa.

Conclusão

A divisão do trabalho em escala global e a especialização da mão-de-obra são as características mais intrínsecas ao capitalismo global. A produção industrial se torna mais concentrada nos países em desenvolvimento, cujos custos trabalhistas são menores que nos países ricos. O capital é direcionado para onde os custos são menores e os retornos são maiores. E, em troca, gera produtos cada vez melhores a preços cada vez menores.

O maior acesso a produtos melhores e a preços menores é exatamente o que retira as pessoas da condição de pobreza extrema. O livre comércio global, consequentemente, é um arranjo no qual os mais pobres do mundo podem se aproveitar dos métodos de produção de mais baixo custo e de maior especialização. E isso é apenas um dos vários exemplos dos benefícios gerados pelas poderosas forças do comércio internacional e da concorrência global.

Vale lembrar que o modo padrão durante a maior parte da história humana sempre foi a pobreza. A pobreza sempre foi a norma e a condição natural e permanente do homem ao longo da história do mundo. E esta se manifestava em conjunto com todos os seus problemas.

Hoje, uma pessoa sai da pobreza extrema a cada segundo, graças a melhores sistemas econômicos, a um maior conhecimento adquirido, e a melhores e mais baratas tecnologias, as quais já chegam a quase todas as áreas do globo.

A libertação do indivíduo em relação à destituição e às incertezas da agricultura de subsistência é uma das maiores façanhas do mundo moderno. Cada vez mais pessoas têm uma expectativa de vida maior e vivem com mais saúde e com mais conforto em relação a qualquer outro período da história humana.

Reconhecer o enorme e positivo efeito desta transformação gradual é de suprema importância não apenas para contrabalançar o crescente pessimismo que nos acomete, como também para não nos esquecermos jamais do arranjo que permitiu a ocorrência deste fenômeno.

Por isso, o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza deveria ser dedicado à celebração da globalização capitalista: o maior motor de redução da pobreza em toda a história da humanidade.

Fonte: Mises Brasil

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.